sexta-feira, 6 de maio de 2011

Vergonha no STF! Aprovaram o "Casamento Gay"!

O Supremo Tribunal Federal  acaba de reconhecer por unanimidade a união “homoafetiva”,  ou o popularmente  chamado “casamento gay”, dando a esse tipo de união os mesmos direitos da união entre homem e mulher, contrariando com isso, o bom senso, a natureza,  e a própria Constituição Federal que no artigo 226, parágrafo terceiro diz: “Para efeito da proteção do Estado, é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, devendo a lei facilitar sua conversão em casamento.”

Vejam bem, o órgão responsável por resguardar e interpretar corretamente a Constituição Federal conseguiu corromper o texto que deveria proteger. Estamos no pior dos mundos.

Não consigo compreender como que homens que estudaram tanto, dedicaram uma vida inteira aos livros e ao direito, que foram em determinado momento de suas vidas escolhidos pelo seu “notável saber jurídico” para o órgão máximo do Poder Judiciário do país, não consigam simplesmente “ligar os pontos”, ou seja, exercer a lógica da maneira mais simples e elementar possível. Incrível!

Estou muito preocupado. Muito mesmo. Depois do que vimos hoje podemos colocar as barbas de molho. Tudo é possível para o STF. Paus poderão se tornar pedras de acordo com a conveniência ou a pressão dominante do momento. Deus meu , onde iremos parar ?

Esse igualitarismo absurdo que tende a nivelar o certo com o errado, o justo com o injusto, o bem com o mal está na raiz dessa infeliz decisão do STF.  Nessa "lógica" do nivelamento, não é "justo" que apenas um tipo de família, a tradicional, goze dos benefícios e da proteção do Estado, todas as relações precisam ser beneficiadas igualmente sob a pena de estarmos praticando uma discriminação (que palavra feia!). Estamos mais uma vez diante da praga do politicamente correto, essa estranha e moderna mania de querer agradar a todos (menos aos cristãos, é claro) sacrificando, sem dó, o bem e a verdade.

Ora, sabemos que existem discriminações justas e injustas. Exemplo óbvio de discriminação justa é o caso de pessoas portadoras de alguma doença sanguínea não poderem ser doadoras de sangue. A família tradicional constituída entre homem e mulher é a célula básica da sociedade, local ideal para a criação e o desenvolvimento dos filhos. Além disso merece todo o apoio e reconhecimento do Estado, porque sem ela, não estaria assegurada nem mesmo a perpetuação da espécie. Já a relação entre homossexuais, é um ato contra a natureza, estéril e não trás nenhum benefício à sociedade. Tal relação não precisa nem de apoio, nem de reconhecimento estatal. Logo não pode ter os mesmos direitos e privilégios da família tradicional que é um patrimônio de toda a humanidade.

Se os homossexuais querem deixar algum bem como herança para o parceiro, que o façam, manifestem esse desejo em vida e pronto. Se quiserem financiar um imóvel, me procurem lá na Caixa, não irei objetar, hoje qualquer pessoa pode compor renda com uma outra, independendo do tipo de relação que possuam. Para financiar um imóvel em comum, basta  que informem que irão morar juntos. Podem ser irmãos, amigos, casais e até pares homossexuais, não há nada que impeça isso. Há na verdade muita desinformação e falácia nessa discussão.

Agora, querer nivelar a família criada por Deus á união homo afetiva é uma bizarrice. Cristãos e pessoas de bom senso não podem se calar diante dessa verdadeira afronta à Criação e ao Criador. Reconhecer uma união como essa não é algo inócuo como muitos inocentemente defendem por aí. Muitos dizem: não faz mal a ninguém. Mentira, faz muito mal sim. Leis ajudam a formar costumes, qualquer um sabe disso, elas possuem um caráter pedagógico. Se a sodomia passa a ser amparada legalmente, como evitar que ela progrida cada vez mais na sociedade? Será que é isso que queremos para nossos filhos e netos?

Hoje é um dia de luto para todos os que lutam pela instituição familiar. Que Deus ilumine a mente das nossas autoridades para que reconheçam o grande mal que praticaram e se esforcem para corrigi-lo. Que Deus nos dê magistrados imbuídos de  uma verdadeira sabedoria que não se aprende nos livros, mas se adquire na busca implacável da verdade. Que possa chegar os tempos em que as leis humanas se conformem à reta razão, e mereçam então todo o respeito  e adesão da sociedade.

Finalmente é importante lembrar que leis e interpretações injustas não nos obrigam a nada. Como nos diz a Sagrada Escritura: “importa obedecer antes a Deus do que aos homens”. Diante do cenário que se aproxima, a desobediência civil por mais dolorosa que possa nos parecer será o único caminho a ser seguido por homens que não desejarem macular suas consciências com o atual progresso da iniqüidade.

Que Deus tenha misericórdia de nós! Que os Sagrados Corações de Jesus e Maria sejam sempre o nosso refúgio e a nossa fortaleza. Amém !

Luciano Perim Almeida
Iúna-ES

3 comentários:

  1. Pois é, meu irmão... Esses homens estudaram tanto, mas tiveram medo da cultura. Acho que o pior hoje em dia que acontece na política é isso: o modismo cultural, a impressão de que a verdade está ao sabor das opiniões e das estatísticas, a verdade não é estabelecida por Deus, ou pela natureza, mas é "produzida" por nós, pela época em que vivemos. Acho que vou escrever sobre isso...

    ResponderExcluir
  2. Primeiramente quero dizer que achei muito bacana seu blog. Isso mesmo, vamos utilizar o máximo possível dos meios que temos para evangelizar. Parabéns. Deus abençoe!
    Em segundo lugar, esse artigo que vc escreveu é mesmo forte. Aonde vamos chegar? Se Deus não tiver misericórdia de Nós o que vamos fazer?...

    ResponderExcluir
  3. Obrigado Maria. É o mínimo que posso fazer. Lamento que em nosso país os católicos sejam tão desarticulados e demorem tanto para reagir a afrontas como essa do STF. Devemos confiar na misericórdia de Deus, mas também devemos fazer muito mais do que fazemos atualmente. Abraços.

    ResponderExcluir

Seja respeitoso.