terça-feira, 13 de setembro de 2016

Obrigado Eduardo Cunha.

Acabei de ver agora a defesa do deputado afastado Eduardo Cunha. Na minha modesta opinião, no pouco tempo que lhe foi concedido fez uma defesa brilhante em que pôde pincelar as principais razões pelas quais ele estava sofrendo o processo de cassação do seu mandato de deputado federal.
Não me lembro de ter visto nesses quarenta e dois anos incompletos de vida uma pessoa tão perseguida e massacrada pela mídia e pelo Procurador Geral da República. Mesmo quando a pauta dominante era a do Petrolão e o impeachment da presidenta era o assunto da hora, sempre aparecia uma nota sobre Eduardo Cunha para “roubar” o noticiário do dia, sobretudo na Globo.
A verdade sobre Eduardo Cunha é que ele era um homem preparado para estar onde estava. Quem pôde acompanhar seu desempenho a frente da Câmara dos Deputados, se não estivesse com a visão e mente embotadas, poderia perceber até com certa facilidade, a sua inteligência, capacidade e tenacidade na condução dos trabalhos. Ele conseguia reunir na sua pessoa tudo aquilo que a patrulha esquerdista mais temia em seus adversários: coragem, sagacidade e um pensamento cristão-conservador.
Seus inimigos, astutos que são, não demoraram a perceber o “perigo” que o nobre deputado representava para suas agendas e rapidamente tentaram das mais diversas formas inviabilizar primeiro sua presidência e depois o seu mandato. O que o imaginário dessa gente mais temia é que pessoas com o pensamento cristão-conservador de Eduardo Cunha assentassem na cadeira da presidência da República, ainda que de forma interina, coisa que poderia eventualmente acontecer após o impeachment da ex-guerrilheira.
Os principais sabotadores que lutaram para derrubar Cunha foram os grupos midiáticos de mentalidade  esquerdista-laicista-anticristã que estão nas mãos de uma elite globalista. Para essa turma, qualquer liderança que aparecesse e que fosse contra o status quo politicamente correto, relativista e multiculturalista precisaria ser destruído a qualquer custo, e sua reputação teria que ser jogada na lama. O que aconteceu com o Deputado Federal Eduardo Cunha é uma amostra do que pode acontecer com qualquer um que ousar atravessar o caminho dessa gente e contrariar os seus interesses poderosos.
Vejam bem, o homem está sendo cassado porque supostamente mentiu/omitiu numa pergunta aberta se possuía conta fora do país. Até agora não há prova cabal disso. Só o disse me disse de Janot (acusador) e da mídia que o reverbera diuturnamente. Razão pífia e risível, se isso fosse razão para cassar um mandato parlamentar, quem teria condições de permanecer no posto de Deputado? É óbvio que se trata de ódio e perseguição direcionados à sua pessoa. Uma vingança asquerosa pelo impeachment de Dilma.
Tal vingança vai muito além do PT, o PT na verdade apenas personifica, aglutina esse pensamento esquerdista anticristão disseminado pela sociedade. Nossas universidades, nossas escolas, jornais, até mesmo igrejas estão permeadas de tal pensamento, o que é muitíssimo perigoso para a saúde da República.
Emblemática foi a atuação e mobilização da Globo e da Globo News nesse processo. Durante todos esses meses foi uma das maiores operações de lavagem cerebral já implementadas em nosso país só comparável mesmo com a criação do fenomenal “Caçador de Marajás”, Collor de Mello. É de assombrar a capacidade de destruir reputações desses veículos,
O fato é que Eduardo Cunha em seu curto período como presidente da Câmara fez mais pelo Brasil que todos os outros presidentes que lhe antecederam. Se não lhe tivessem cortado as asas, teríamos hoje um país melhor do que o atual porque ele militaria a favor da família natural formada por homem e mulher, é contra a legalização do aborto, é a favor da justa redução da maioridade penal e tantas outras demandas do Brasil real que nunca antes tinham sensibilizado os nossos representantes. No entanto, o seu maior feito foi ter dado o “START” no processo do impeachment daquela despreparada que levou o Brasil pro buraco. Poucos teriam a coragem que ele teve de enfrentar a máquina de moer reputações petista, e ele o fez com galhardia!
Quem perde com a cassação do deputado é o Brasil! Em Cunha estão representados todos os brasileiros que ainda se opõe a agenda globalista anticristã. Não é um dia feliz para o nosso país.
Que Deus abençoe Eduardo Cunha! Que Deus abençoe o povo brasileiro para que mais e mais lideranças cristãs conservadoras possam assumir o seu lugar e frear essa tirania que está tornando esse país cada dia mais, um lugar insuportável para se viver e criar os filhos.
Luciano Perim Almeida

domingo, 4 de setembro de 2016

Impeachment fatiado, mais uma vergonha made in Brazil.


O que era pra ser um dia para lavar a alma do brasileiro se tornou um dia de amargura e frustração. Quando no meu trabalho eu ouvi da boca de clientes e colegas que o julgamento do impeachment havia sido desmembrado/fatiado, custei a acreditar. Como seria possível uma coisa dessas? Como acreditar que “eles” pudessem ir tão longe? Eles foram.

Olavo de Carvalho tem razão. Nossas universidades, nossas redações, e os poderes da república estão impregnados do esquerdismo mais abjeto, nada escapa, nem mesmo a Igreja.

Conheço pouco de leis, sou apenas um bancário com formação universitária em Engenharia Civil, mas graças a Deus sempre fui um bom aluno. Nunca tive dificuldades em interpretação de textos. Sempre consegui ligar os pontos na escola e na vida. Por isso,  afirmo com certeza que é impossível que pessoas da estatura intelectual de Renan Calheiros e Lewandowisk não consigam interpretar um texto simples da língua portuguesa que até mesmo um aluno do ensino médio conseguiria sem dificuldades.  O parágrafo único do artigo 52 da Constituição Federal é límpido, claríssimo. O problema é muito mais grave, é de ordem moral, não intelectual.

O que esses dois senhores fizeram foi gravíssimo. Um descalabro sem proporção alguma na história nacional. Fizeram ao vivo, em tempo real, sem temer reações de qualquer espécie. Para esses dois senhores, chefes dos seus poderes, se a CF diz ”pau” basta forçar a interpretação para se ler “pedra”, nada mais é impossível para essa gente sem limites. Ultrapassaram a última barreira que era a da língua portuguesa, criaram uma “novilíngua” para atender seus caprichos, sua agenda.

Ainda que a mídia amiga não tenha repercutido com a gravidade necessária o ocorrido, o brasileiro médio tomou ciência do engodo. As vísceras dessa gente foram expostas de tal forma que é impossível agora não perceber. É impensável que eles permaneçam onde estão depois desse crime de lesa-pátria. Muito mais do que apenas impeachment é preciso que acertem as contas com a Justiça e paguem por esse conluio, essa conjura, uma vez que foram capazes de tamanha desfaçatez para salvar a pele de uma companheira serão capazes de coisa pior para salvar a própria pele.

Que as ações passadas e futuras de Renan e Lewandowisk sejam revistas à luz dessa manobra. O povo brasileiro precisa reagir com energia a essa manobra. Manifestações pacíficas e ordeiras, mandados de segurança, artigos denunciadores serão muito bem vindos. O silêncio de entidades como a OAB e a Associação de Magistrados é gritante e apenas revela o quanto o pensamento esquerdista é dominante e hegemônico atualmente.

Como cristão sou otimista e sei que é possível tirar um bem desse mal que infelizmente nos acometeu. A primeira coisa positiva que percebi foi justamente a exposição nua e crua da “moral” esquerdista, mostrando o quanto eles são abjetos e capazes de absolutamente tudo para se auto-preservarem.  A boa notícia disso tudo é que eles já perderam, isso porque sem força moral e a força da verdade não se pode vencer uma guerra, mas apenas algumas batalhas sujas.
Mais cedo ou mais tarde os brasileiros de bem que conservam os valores tradicionais que preservam a família, a Fé e o trabalho honesto ocuparão seus espaços e quando isso acontecer será a vez do Brasil se tornar verdadeiramente grande. Fora Renan! Fora Lewandowski! Fora petralhas!