quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Sobre o caos no ES


Tenho amigos policiais, quem não os tem? Acho que todos temos alguém próximo na PM, um parente, um amigo, um vizinho.
Bastam poucos minutos de conversa com qualquer um deles para entendermos as raízes desse caos que se instalou em nosso estado.
Não se trata tão somente de salários baixos como o alardeado, é muito mais do que isso, o salário de fome que o PM recebe para arriscar a própria vida para a nossa segurança e bem estar é apenas uma parte, a mais visível de um problema que é muito mais profundo.
Esses dias eu falava com um cliente que o principal pré-requisito para um cara ser policial hoje em dia é ter sangue de barata e não esquentar com absolutamente nada. Perseguido pela mídia, pelos advogadinhos de porta de cadeia e pelos “direitos dos manos” o PM tem como seu principal algoz a estrutura atual de poder que se norteia pelo politicamente correto. Se o policial cumprir o seu dever com firmeza não dando mole pra vagabundo, dificilmente conseguirá projeção, se der um pescotapa num criminoso, por exemplo, logo vem a turminha dos direitos humanos e arruma um jeito de cancelar o fragrante além de sujar a barra do PM. A polícia está de pés e mãos atadas.
A gota d’água para instauração do caos que já era uma tragédia anunciada foram a intransigência e o desprezo absoluto de um governo que nunca deu a mínima para os militares. Tanta arrogância mais cedo ou mais tarde iria cobrar a fatura. Isso tudo que estamos vendo: mortes, saques, população aprisionada e amedrontada, poderia ser evitado se o senhor governador demonstrasse o mínimo de sensibilidade que o cargo lhe exige. O mundo é muito mais do que tão somente uma fria planilha pintada de vermelha ou azul, somos seres humanos.
A nossa visão de Estado está totalmente caduca e equivocada, nossos impostos não deveriam ser gastos em publicidade caríssima em jornais e televisão (que blindam o governo), nem em eventos culturais supérfluos, nada disso! Se a grana anda curta, cortem-se os privilégios da casta de políticos, juízes e promotores, enxugue-se a máquina, mas não se descuide da própria razão de ser do Estado que é a segurança de seus cidadãos. O mínimo do mínimo que o Estado tem que cuidar é da segurança pública e isso tem sido muito negligenciado.
A população tem que ficar atenta e fazer uma leitura correta dos acontecimentos. Não adianta ser legalista apenas, acusando os policiais de motim. Infelizmente eles foram empurrados até esse abismo por um governo insensível que nunca abriu um canal de diálogo. É hora de parar de blindar Paulo Hartung e cobrar responsabilidades de quem realmente as tem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja respeitoso.