26 de junho de 2018

Detenham o STF, o maior inimigo do Brasil.

Quando Sebastián Piñera, atual presidente do Chile esteve recentemente no país e se encontrou com três dos nossos ministros do Supremo (Carmem Lúcia, Toffoli e Fachin), ainda que sem intenção, nos revelou toda a nudez do rei. Em tom descontraído, o presidente chileno perguntou aos ministros, a quem o povo brasileiro poderia recorrer nos casos em que o STF errasse seus julgamentos, diante do silêncio constrangedor e revelador dos ministros, ele apontou para cima, indicando que só lhes restava rezar a Deus! (https://oglobo.globo.com/brasil/quando-falha-suprema-corte-quem-se-recorre-pergunta-presidente-do-chile-carmen-lucia-22634972)

Sim, essa é a nossa triste realidade, somos reféns dos mandos e desmandos de togados que não nos devem qualquer satisfação porque não dependem dos nossos votos. (https://padrepauloricardo.org/episodios/ministro-do-supremo-admite-nao-devemos-satisfacao-a-ninguem).

O STF há anos vem ultrapassando as suas atribuições, entrando na seara do outro poder que é o Legislativo com a desculpa que este é moroso ao tomar suas decisões. Será realmente o Legislativo moroso, ou ele apenas reflete os anseios dos seus eleitores que não se dobram tão facilmente a uma agenda esquerdista-globalista? Sabemos que o parlamentar é sensível à movimentação da sua base eleitoral, e em geral, a população brasileira ainda é conservadora em costumes. Por isso pautas legalizadas pelo STF como casamento gay, pesquisa com células tronco embrionárias, aborto de anencéfalos e demais casos não tramitam facilmente pelo Congresso, tendo duro percalço por lá, sendo seus projetos muitas vezes arquivados. A elite globalista internacional é ciente disso, e sabendo que não teria vida fácil nos parlamentos de muitos países, decidiram investir pesadamente num atalho que é a via judicial.  No Brasil não foi diferente, hoje o STF se tornou uma nova “Assembleia Constituinte”, não se conformando tão somente em resguardar ou interpretar o texto Constitucional, mas todo dia parece querer reescrevê-lo.

Cada dia que passa, nossos ministros, que se acham verdadeiros semi-deuses do Olimpo, inatingíveis, colocam a sua manguinha autoritária mais pra fora. Quando o ministro Ricardo Lewandowski mandou fatiar o impeachment de Dilma Rousseff, não cassando seus direitos políticos, mutilando totalmente a lei diante de um Brasil atônito, a senha foi dada que nada  impediria nossos ministros de “legislar” em  causa própria e a favor dos seus protegidos. Hoje vemos a segunda turma, com o trio libertador Toffoli, Gilmar e sempre ele, Lewandowski, libertando figurões condenados, como José Dirceu, zombando cada dia mais um pouco da cara do povo brasileiro.

Estamos cansados de tanto escárnio e cinismo, esse STF já deu há muito tempo, ninguém mais suporta seus desmandos, seus desvarios e arbítrios, qualquer brasileiro com o mínimo de inteligência percebe que há algo muito estranho acontecendo na nossa Suprema Corte.

Hoje o STF se tornou o maior inimigo do Brasil. Sua sanha autoritária parece não ter limites, e em breve, no início de agosto, ele se prepara para mais uma vez legislar, e liberar o terrível crime do aborto no Brasil até a 12ª semana em qualquer situação.

Mas há esperança! Existe um projeto de lei tramitando na Câmara dos Deputados, o PL 4754/2016, “que define como crime de responsabilidade a usurpação de competências do legislativo por parte de juízes do STF. No caso, esses juízes seriam processados no Senado Federal, podendo sofrer um impeachment.”  (cf. https://padrepauloricardo.org/blog/aborto-chegou-a-hora-de-reagir).

Nossos deputados precisam ter a coragem de dar prosseguimento a essa lei que irá trazer um novo equilíbrio entre os poderes da República. Enquanto essa bendita lei não for aprovada e sancionada (e até depois disso), sigamos à risca o conselho do presidente chileno, e rezemos muito à Deus, para  que Ele mesmo ponha limites a esse mal que hoje emana da nossa Suprema Corte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja respeitoso.

Postagem em destaque

Carta aberta ao Papa Francisco (por Padre Thomas G. Weinandy)

"Santidade: Escrevo esta carta com amor à Igreja e sincero respeito por vosso ministério. Vós sois o Vigário de Cristo na terra, o...